Alice no País da Mesma Idéia

LGPD: o impacto da Lei Geral de Proteção de Dados no marketing da sua empresa
Agência de publicidade: por que contratar, se posso internalizar?
Humildade situacional para resolver problemas (parte 2)
Já aconteceu com todo mundo: num belo dia, abre-se o jornal e lá está uma ideia igualzinha àquela que o cliente aprovou. Não é irritante? Demais. Mas acontece, infelizmente.
Porque as referências estão aí, ao alcance de todos, para quem chegar primeiro.
E o que dizer quando todos, absolutamente, bebem da mesma fonte? Quando todos criam em cima de uma mesma referência?
É o que está acontecendo com Alice no País das Maravilhas, a mais nova adaptação do romance de Lewis Carroll. Preste atenção: quantas campanhas você já viu nos últimos dias inspiradas no filme de Tim Burton? H.Stern(1), Ellus(2), Laboutin(3), entre muitas outras, são exemplos de marcas que desenvolveram coleções inpiradas na obra. Fato comum no calendário de Varejo, o tema único que serve de referência para todos acabou invadindo as mais diversas áreas, em especial a moda.
Sendo assim, fica a pergunta: como se diferenciar, quando todo mundo faz igual?
Com muita criatividade, oras. Criatividade para fazer igual, mas diferente. Para dizer o mesmo que todos estão dizendo, mas não da mesma forma.
Mas, e não seria esse o nosso desafio diário? Afinal, o carro que não vendeu hoje precisará de um novo argumento para ser vendido amanhã. E a campanha criada para lançar um empreendimento não serve para vender aquele último apartamento com posição solar desfavorável.
Isso sem contar que, ao mesmo tempo em que você está tentando vender determinado produto, outra agência está tentando vender um produto semelhante, com qualidade igual, melhor ou até mesmo pior, por um valor menor. E aí, baixar o preço, simplesmente, está longe de ser a solução ideal.
No final das contas, criatividade é a resposta para tudo.
Seja para vender um país de maravilhas, as últimas unidades ou mesmo para fugir do aluguel.

Já aconteceu com todo mundo: num belo dia, abre-se o jornal e lá está uma ideia igualzinha àquela que o cliente aprovou. Não é irritante? Demais. Mas acontece, infelizmente.

Porque as referências estão aí, ao alcance de todos, para quem chegar primeiro.

E o que dizer quando todos, absolutamente, bebem da mesma fonte? Quando todos criam em cima de uma mesma referência?

É o que está acontecendo com Alice no País das Maravilhas, a mais nova adaptação do romance de Lewis Carroll. Preste atenção: quantas campanhas você já viu nos últimos dias inspiradas no filme de Tim Burton? H.Stern, Ellus, Louboutin, entre muitas outras, são exemplos de marcas que desenvolveram coleções inpiradas na obra. Fato comum no calendário de Varejo, o tema único que serve de referência para todos acabou invadindo as mais diversas áreas, em especial a moda.

Sendo assim, fica a pergunta: como se diferenciar, quando todo mundo faz igual?

Com muita criatividade, oras. Criatividade para fazer igual, mas diferente. Para dizer o mesmo que todos estão dizendo, mas não da mesma forma.

Mas, e não seria esse o nosso desafio diário? Afinal, o carro que não vendeu hoje precisará de um novo argumento para ser vendido amanhã. E a campanha criada para lançar um empreendimento não serve para vender aquele último apartamento com posição solar desfavorável.

Isso sem contar que, ao mesmo tempo em que você está tentando vender determinado produto, outra agência está tentando vender um produto semelhante, com qualidade igual, melhor ou até mesmo pior, por um valor menor. E aí, baixar o preço, simplesmente, está longe de ser a solução ideal.

No final das contas, criatividade é a resposta para tudo. Seja para vender um país de maravilhas, as últimas unidades ou mesmo para fugir do aluguel.