Envolvimento na prática com a Vipal

LGPD: o impacto da Lei Geral de Proteção de Dados no marketing da sua empresa
Agência de publicidade: por que contratar, se posso internalizar?
Humildade situacional para resolver problemas (parte 2)

A Vipal é um daqueles clientes que, na verdade, são vários. Líder em tecnologia na reforma de pneus, o Grupo é formado pela Borrachas Vipal, pelo Banco Vipal e por diversas outras empresas associadas. Assim, para dar conta da complexidade da marca e fazer jus ao envolvimento que, modéstia à parte, já é nossa marca registrada, a equipe da Duplo ingressou em um intenso processo de imersão desde que a conta foi conquistada, há pouco mais de três meses. O mais recente episódio dessa caminhada se deu na última segunda-feira, 15 de outubro, dia em que cerca de 20 profissionais da agência rumaram para Nova Prata, no interior do Rio Grande do Sul, para conhecer o lugar onde essa história de sucesso teve início, começou a crescer e, hoje, concentra espaços importantes para a marca tanto estratégica quanto historicamente.

Depois de quase três horas de viagem, o grupo foi recebido na primeira Sede Administrativa da empresa pelo especialista técnico Paulo Cesar Moraz, que guiou os visitantes pelo resto do dia. O local consiste no embrião da Vipal: exatamente lá, em 1973, foi fundada uma pequena e pioneira fábrica de material para reparos de pneus e câmeras de ar que, mais tarde, viria a se tornar uma referência em tecnologia e inovação. Ainda hoje, a casa da família Paludo se encontra intacta, e, por essa razão, a Fábrica 1, construída nos arredores, tem uma estrutura bem fora do padrão. Mas antes de conhecer tudo isso e mais um pouco, o grupo começou o dia em uma palestra com o gerente de Inovações Tecnológicas, Claudinir Chiomento.

O descanso nessa agenda com todas as brechas preenchidas se deu no almoço, um galeto na Sede Campestre da empresa. Ainda no início da tarde, a equipe conferiu outra palestra, dessa vez sobre mercado, seguida de uma visita à Fábrica 2, mais afastada, onde também se encontra o Centro de Distribuição. O tamanho e a organização do espaço impressionam, mas trata-se, basicamente, de um galpão gigantesco de onde saem os produtos que serão exportados para o exterior e para o mercado interno.

Depois de mais algumas horas, o grupo regressou a Porto Alegre cansado, mas extremamente satisfeito. Além da inevitável alegria de estar mais próximo dessa gigante que mantém as melhores características das empresas familiares, curtimos muito ver na prática o que estamos há semanas compreendendo na teoria. Como ainda há muito para ver, o processo de imersão segue firme e forte. Fiquem ligados que a gente conta tudo por aqui =]