Receita de uma relação perfeita

LGPD: o impacto da Lei Geral de Proteção de Dados no marketing da sua empresa
Agência de publicidade: por que contratar, se posso internalizar?
Humildade situacional para resolver problemas (parte 2)
A Central de Inteligência da Duplo M tem na inquietude sua base de apoio. E é por isso que a gente não sabe – nem consegue – ficar parado. Daí, surgiu o projeto das Mini Pesquisas, apelidado carinhosamente de Bernardinho, inspirado livremente no técnico da Seleção Brasileira de Vôlei e na sua estratégia de quebrar a rotina em busca dos melhores resultados.
Você guarda receitas em casa?
Essa foi a pergunta ponto de partida do primeiro Bernardinho.
E aí, o que você acha? Será que as pessoas ainda têm esse hábito? E os mais jovens? E como fazem isso? E a internet, mudou alguma coisa?
Então, a busca:
Entramos na casa das consumidoras, sentamos às mesas de suas cozinhas, remexemos as gavetas, as histórias e as memórias.
E surgiram caderninhos sujos de gordura, pingados de cobertura de chocolate, folhas soltas, velhas, escritas com a letra da vó. E revistas e mais revistas…
As coleções de receitas vinham de várias fontes: mídia, heranças de família, televisão, amigas e internet. Mas, quase nenhuma menção às famosas receitas de embalagens.
E no meio de tanta coisa bagunçada, e mesmo sem citar as tais embalagens, apareceram várias receitas vinculadas à algumas marcas específicas, guardadas com o mesmo carinho e importância que a receita antiga da vó.
Além do momento vem-aqui-que-eu-te-mostro-minhas-receitas, as entrevistadas responderam perguntas sobre o uso da internet para buscá-las, a troca, a indicação e a freqüência com que recorrem ao acervo.
De repente surge uma informação interessante: descobrimos que a quantidade de receitas colecionadas não é proporcional ao número de vezes que são utilizadas. Muita gente adora guardar receitas, mesmo que quase nunca encoste a barriga no fogão.
No fim das contas, uma coisa ficou muito clara: receitas não têm validade. Passam de vó para mãe, de mãe para filha. E tanto faz se estiverem num caderno novo ou velho. Fato é que as marcas que entendem esse hábito se eternizam junto com as melhores lembranças relacionadas à cozinha.
Com essas pesquisas, a Central de Inteligência da Duplo M traz o universo das consumidoras aqui pra dentro, descobrindo significados que geram insights e, como não poderia deixar de ser, resultados.
E você? Já pensou em como eternizar sua marca na caixinha de boas lembranças das consumidoras?
Vem conversar com a gente. Nós temos a receita.

receita1A Central de Inteligência da Duplo M tem na inquietude sua base de apoio. E é por isso que a gente não sabe – nem consegue – ficar parado. Daí, surgiu o projeto das Mini Pesquisas, apelidado carinhosamente de Bernardinho, inspirado livremente no técnico da Seleção Brasileira de Vôlei e na sua estratégia de quebrar a rotina em busca dos melhores resultados.

Você guarda receitas em casa?

Essa foi a pergunta ponto de partida do primeiro Bernardinho.

E aí, o que você acha? Será que as pessoas ainda têm esse hábito? E os mais jovens? E como fazem isso? E a internet, mudou alguma coisa?

Então, a busca:

Entramos na casa das consumidoras, sentamos à mesa em suas cozinhas, remexemos as gavetas, as histórias e as memórias.

E surgiram caderninhos sujos de gordura, pingados de cobertura de chocolate, folhas soltas, velhas, escritas com a letra da vó. E revistas e mais revistas…

As coleções de receitas vinham de várias fontes: mídia, heranças de família, televisão, amigas e internet. Mas, quase nenhuma menção às famosas receitas de embalagens.

E no meio de tanta coisa bagunçada, e mesmo sem citar as tais embalagens, apareceram várias receitas vinculadas à algumas marcas específicas, guardadas com o mesmo carinho e importância que a receita antiga da vó.

Além do momento vem-aqui-que-eu-te-mostro-minhas-receitas, as entrevistadas responderam perguntas sobre o uso da internet para buscá-las, a troca, a indicação e a freqüência com que recorrem ao acervo.

De repente surge uma informação interessante: descobrimos que a quantidade de receitas colecionadas não é proporcional ao número de vezes que são utilizadas. Muita gente adora guardar receitas, mesmo que quase nunca encoste a barriga no fogão.

No fim das contas, uma coisa ficou muito clara:  receitas não têm validade. Passam de vó para mãe, de mãe para filha. E tanto faz se estiverem num caderno novo ou velho. Fato é que as marcas que entendem esse hábito se eternizam junto com as melhores lembranças relacionadas à cozinha.

Com essas pesquisas, a Central de Inteligência da Duplo M traz o universo das consumidoras aqui pra dentro, descobrindo significados que geram insights e, como não poderia deixar de ser, resultados.

E você? Já pensou em como eternizar sua marca na caixinha de boas lembranças das consumidoras?

Vem conversar com a gente. Nós temos a receita.