Sobre relacionamento, envolvimento e Bontempo

LGPD: o impacto da Lei Geral de Proteção de Dados no marketing da sua empresa
Agência de publicidade: por que contratar, se posso internalizar?
Humildade situacional para resolver problemas (parte 2)

De uns tempos pra cá, a palavra “relacionamento” parece ter adquirido um novo sentido, bem mais amplo que a definição do dicionário. Novas formas de se relacionar com as pessoas, com a natureza, com marcas… A cada dia um novo aspecto é descoberto e devidamente explorado. Ao mesmo tempo, depois que a palavra foi adotada pelo marketing, ganhou um sentido mais simples, praticamente essencial. Relacionamento virou sinônimo de básico, de sobrevivência. É sinônimo de “o mínimo que se pode fazer”.

Quem vem dando uma aula de como se relacionar com o cliente é a Bontempo, parceira aqui da agência que atua no setor mobiliário. O projeto “Venha conhecer a Bontempo”, uma vez por mês, em média, reúne arquitetos, decoradores e outros profissionais do ramo para conhecer a sede da empresa, na cidade de São Marcos, distante 155km de Porto Alegre. A jornada inicia na quinta e termina só no domingo. Neste meio tempo, os convidados recebem da empresa todos os cuidados necessários: das refeições ao deslocamento, da resposta às dúvidas ao entretenimento. A síntese destes momentos fornece à Bontempo informações extremamente valiosas sobre as preferências dos seus consumidores, que serão de muita utilidade no desenvolvimento e aprimoramento da linha de móveis da marca.

bontempo

Para que o relacionamento dê certo – e isso serve não só para a relação empresa-cliente – é necessário uma comunicação eficiente. É é aí que a gente entra: desenvolvemos materiais de apoio que refletem as intenções da Bontempo com o programa e facilitam a passagem dos visitantes pela região, como o guia Processos de Produção, e-mail personalizado com a previsão do tempo durante o evento (exemplo acima), impresso com a agenda de compromissos etc.

Pode ser estratégia, pode ser marketing de relacionamento, pode ser fidelização. No fim das contas, por mais nomes que tenha, o que melhor define tudo isso é aquela palavra que a gente tanto usa – e pratica! – por aqui: E-N-V-O-L-V-I-M-E-N-T-O.