Storytelling: o poder de contar histórias

LGPD: o impacto da Lei Geral de Proteção de Dados no marketing da sua empresa
Agência de publicidade: por que contratar, se posso internalizar?
Humildade situacional para resolver problemas (parte 2)

A capacidade natural de todo ser humano de contar histórias transformou-se em técnica e instrumento de comunicação. Hoje, é utilizada metodologicamente por muitas marcas que desejam se firmar na memória de seus consumidores. Em uma realidade de mercado que presencia a transferência de poder de quem produz e distribui conteúdo para quem o consome, a interrupção – materializada pelos clássicos espaços comerciais de 30 segundos, por exemplo – está sendo substituída por formatos que buscam o envolvimento e o engajamentos dos públicos.

A comunicação, como ferramenta de conexão entre públicos e marca, enxergou no storytelling uma forma de destacar marcas e mensagens em meio a um mercado que está em constante evolução e questionando velhos padrões. Quem busca construir sua comunicação a partir de novas técnicas e formatos tem mais chances de gerar conexão e memória. Nesse contexto, o storytelling aparece como ferramenta de criatividade, explanação e construção de identidade de marca. Ou seja, tem a capacidade de ampliar significados e gerar assunto em meio às conversas de consumidores. Isso porque a técnica possibilita a humanização das marcas, cria valores capazes de gerar identificação e, consequentemente, engajamento.

Apesar de caracterizada como novidade, a ferramenta narrativa de storytelling veio dar nome à técnica de “contar histórias” e vem assumindo um papel importante na sociedade empresarial e criativa. Para a Duplo, a técnica é uma conhecida aliada tanto na defesa de uma estratégia de campanha como para a construção de uma identidade de marca. Associada a ela, pesquisas de público, conhecimento de mercado e conhecimentos teóricos completam o time.

Afinal, sabe-se que, assim como o contar de uma história, o storytelling depende da interpretação e análise da informação pelo receptor. Cada consumidor, cada mercado, cada marca, utilizará suas experiências pessoais como fator determinante da interpretação da narrativa. E, por isso, conhecer cada um deles faz parte do percurso que distancia a marca do seu público. Para a Duplo, não existe criatividade sem inteligência, nem comunicação eficiente sem estratégia.

Com alicerces tão suscetíveis às mudanças, as marcas são constantemente provocadas a revisar suas narrativas e o que elas trazem como significado. Por isso o sucesso desse processo de construção e renovação exige clareza em relação ao conhecimento acerca da marca detentora da mensagem, do consumidor e da sociedade na qual ele está inserido.

Para isso, a Duplo desenvolve e defende a aplicação de diversas ferramentas de pesquisa e produtos estratégicos que possibilitam a seus clientes uma maior assertividade na construção da sua comunicação. Cada qual que confia à Duplo sua marca, confia também sua memória e identidade. Para nós, comunicar é compartilhar e contar ao mundo uma história que gere assunto, construa uma personalidade e cause envolvimento.

Ao que tudo indica, a evolução da técnica de storytelling como ferramenta de comunicação colocou a narrativa em evidência e transformou marcas em grandes contadoras de história. A pergunta é: o storytelling é realmente capaz de construir uma imagem de marca com potencial para gerar identificação com seus públicos e memória de marca? A gente acredita que sim!